Por que a EAD é fundamental para a retenção de talentos

No webinar realizado pela webAula com a Jo Lima, conferencista nacional do tema liderança, discutiu-se, entre outros temas, como as empresas lidam com a alta rotatividade de profissionais. Para Jo Lima, uma das soluções para aumentar a retenção de talentos é alinhar as pessoas aos propósitos da empresa, o que pode ser feito com ajuda de tecnologias de educação a distância (EAD).

Em pleno século 21, o perfil dos colaboradores é diferente de décadas atrás. Se antes era comum quase não trocarem de emprego, ficando na mesma empresa pela vida toda, hoje, como apontado por Jo Lima, a média não chega dois anos, sobretudo entre aqueles da geração Y (nascidos entre 1980 e 1999).

Com tamanha rotatividade, as organizações têm custos extras, porque constantemente procuram por novos talentos. E somados aos gastos com processo seletivo e contratação, há o prejuízo indireto de perder profissionais essenciais a certos processos que demandam conhecimento específico.

Diante desse conflito, entra a questão: como reter talentos por mais tempo?

Entendendo as novas demandas para reter talentos

Estudos acadêmicos e vivência cotidiana demonstram que os profissionais mais jovens priorizam demandas diferentes daquelas das gerações anteriores. Isso significa que, embora sempre existissem, esses desejos agora estão mais em evidência. Foi-se o tempo em que salário e benefícios eram absolutos.

Um artigo da Revista Brasileira de Gestão e Inovação listou as expectativas da geração Y quanto ao emprego, das quais selecionamos algumas.

  • Habilidades de autopromoção: treinamentos frequentes, de modo que sempre desenvolvam habilidades e nunca se tornem ultrapassados.
  • Acesso aos tomadores de decisões: relacionamento com os líderes, clientes e gestores.
  • Responsabilidades definidas: controle de alguma área, de forma que possam mostrar trabalho por meio desse papel.
  • Flexibilidade de agenda e de local de trabalho: horários e rotina definidos de acordo com o atingimento de metas.

Percebe-se que esses profissionais querem não só bater ponto e receber o salário no final do mês, mas se realizarem por meio do próprio trabalho. Então, quando a empresa não propicia condições para tal, eles tendem a buscar outras oportunidades no mercado de trabalho.

E mesmo que o time da empresa seja formado por pessoas de outras gerações, ainda existem demandas como essas, afinal o autodesenvolvimento é uma necessidade humana, seja qual for a idade da pessoa. Sendo assim, se atentar a essas expectativas listadas continua uma estratégia válida.

EAD como ferramenta de retenção de talentos

Nesse contexto, a EAD se apresenta como ferramenta tanto de qualificação, quanto de retenção de profissionais, afinal o desenvolvimento de habilidades é uma das principais demandas dos colaboradores.

Tais habilidades ajudam a cumprir as outras expectativas listadas, já que somente com qualificação é possível se destacar no trabalho.

Aplicados também como instrumento de comunicação, os treinamentos internos possibilitam o alinhamento dos colaboradores aos propósitos da organização. Como citado pela Jo Lima no webinar, essa sintonia entre a pessoas e a empresa é a base para qualquer estratégia de retenção de talentos.

Em 2017, conforme revelado pelo Panorama do Treinamento no Brasil, 77% das empresas que investem em treinamento de pessoal utilizou a EAD.

Boas práticas para reter talentos com ajuda da EAD

A conferencista nacional do tema liderança também apontou outras práticas visando reduzir a rotatividade de profissionais e criar equipes de alto desempenho. Para a sorte dos gestores, todas elas são aplicáveis às ações de treinamento e desenvolvimento a distância.

Humanizar a experiência

Para tanto, é necessária transparência na relação entre a organização e o colaborador. Desse modo, é possível desenvolver ações de qualificação que realmente atendam às expectativas de ambos os lados. A humanização da EAD demonstra que a empresa está de fato interessada no desenvolvimento do profissional, e não só o obrigando a estudar.

Dar feedback

O feedback é o instrumento que mostrará onde o colaborador está, aonde ele deve chegar e o que precisa para fazer isso. Seja dentro dos cursos EAD, seja nos processos de RH, essa é uma maneira eficiente de guiar o profissional na jornada de desenvolvimento que ele mesmo deseja para si.

Estimular o desenvolvimento

Tanto em cursos oferecidos pela própria empresa na universidade virtual, quanto em treinamentos externos criados por terceiros, vale a pena encorajar o desenvolvimento constante. De novo, esse é um dos principais desejos dos próprios profissionais da geração Y, que preferem se esforçar no aprendizado de novas habilidades a ficarem ultrapassados no mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *